0

Vai fazer um ano que a juíza Luzimara Moura, do Tribunal Regional Eleitoral, pediu vistas no inquérito em que o hoje governador Helder Barbalho (MDB) é acusado de receber R$ 1.500.000,00 – em três parcelas de R$ 500 mil – da empreiteira Norberto Odebrecht, de um suposto caixa dois, para a campanha eleitoral de 2014, quando foi derrotada por Simão Jatene na disputa para o governo do Pará.

A denúncia de que Helder Barbalho teria recebido propina de caixa dois foi feita diante de delegado da Polícia Federal e procuradores da República pelo então presidente da Odebrecht Ambiental, Fernando Reis.

A denúncia de Reis foi confirmada pelo diretor superintendente da Odebrecht Ambiental, Mário Amaro da Silveira. Helder Barbalho se encontrou em um hotel de luxo em São Paulo com Fernando, Mário Amaro levando a tiracolo O ex-prefeito de Marabá, João Salame, e o então candidato ao Senado, Paulo Rocha (PT).

Os executivos da Odebrecht Ambiental denunciaram à Polícia Federal e ao MPF que Helder teria se comprometido a privatizar a Cosanpa, se eleito governador, como contrapartida à propina de R$ 1,5 milhão paga pela Odebrecht.

Caso seja condenado na ação, Helder Barbalho corre o risco de ser cassado.

Isto, se um dia o inquérito voltar à pauta do Tribunal Regional Eleitoral, onde os Barbalhos, segundo denúncia do ex-senador Mário Couto, teriam amplo controle.

Ronaldo Brasiliense
Ronaldo Brasiliense é o repórter mais premiado da Amazônia nos últimos trinta anos. Conquistou os maiores prêmios da imprensa brasileira em uma carreira marcada por reportagens denunciando a corrupção, a malversação do dinheiro público, em defesa da democracia, dos direitos humanos, da preservação do meio ambiente e da cultura dos povos da floresta. Atualmente, Ronaldo Brasiliense é presidente da Academia Artística e Literária de Óbidos (AALO) e da Associação Cultural Obidense (ACOB), que administra o Museu Integrado de Óbidos e promove anualmente o Festival do Jaraqui, além de executar obras com o apoio da sociedade civil obidense e do poder público municipal, como a atual revitalização do histórico Forte Pauxis, marco de fundação da cidade de Óbidos.

Helder Barbalho, o chupim paraense

Anterior

As crianças de Altamira

Seguinte

Pode ser do seu interesse

Comentário

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *