0

Não foi por falta de aviso.
O governador Helder Barbalho (MDB) recebeu o hospital regional do Tapajós, em Itaituba, no oeste do Pará, 90 por cento concluído por seu antecessor Simão Jatene.
Passaram-se 18 meses e somente hoje, 09 de julho, quatro meses depois do agravamento da maior pandemia em cem anos, Helder Barbalho entregou à população um hospital funcionando de forma precária – meia sola, como se diz popularmente.
Itaituba, cidade dos garimpos, enfrenta uma grave situação de saúde, com milhares de infectados pelo novo coronavirus, com dezenas de mortes por Covid 19, sem que o governador do Pará agilizasse a conclusão de seu hospital regional.
Helder Barbalho tem outras prioridades. Investir R$ 160 milhões na restauração do estádio Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém, a capital, no meio de uma pandemia que já matou mais de cinco mil paraenses, é uma delas. Fazer campanha eleitoral antecipada é outra.
A população de Itaituba deu sua resposta nas ruas, com passeata carregando cruzes, com vaias e o evidente repúdio à presença de Helder Barbalho no município.
Helder fez por merecer.

Helder também merece música no Fantástico

O governador Helder Barbalho foi vaiado no hospital regional de Tucuruí por servidores da área médica revoltados com a gestão do hospital em plena pandemia.
Helder Barbalho foi vaiado em Belém por mães de alunos da rede pública estadual que não conseguiram comprar com o vale-alimentação do governo.
Helder Barbalho foi vaiado hoje em Itaituba ao entregar o hospital regional do Tapajós, com apenas 30 por cento de duas instalações concluídas.
Por mérito, Helder Barbalho já pode pedir música no Fantástico.
Sim, Helder fez por merecer, Tadeu Schimidt.

 

Ronaldo Brasiliense
Ronaldo Brasiliense é o repórter mais premiado da Amazônia nos últimos trinta anos. Conquistou os maiores prêmios da imprensa brasileira em uma carreira marcada por reportagens denunciando a corrupção, a malversação do dinheiro público, em defesa da democracia, dos direitos humanos, da preservação do meio ambiente e da cultura dos povos da floresta. Atualmente, Ronaldo Brasiliense é presidente da Academia Artística e Literária de Óbidos (AALO) e da Associação Cultural Obidense (ACOB), que administra o Museu Integrado de Óbidos e promove anualmente o Festival do Jaraqui, além de executar obras com o apoio da sociedade civil obidense e do poder público municipal, como a atual revitalização do histórico Forte Pauxis, marco de fundação da cidade de Óbidos.

Professores públicos. Além da queda, o coice.

Anterior

A farsa de Itaituba

Seguinte

Pode ser do seu interesse

Comentário

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais de Pará