2

Pegou muito mal no sul e sudeste do Pará a peça de campanha do candidato do presidente Michel Temer (MDB) ao governo do Pará, Helder Barbalho (MDB), conclamando os eleitores paraenses na votarem em candidatos paraenses.

A peça de propaganda tenta acertar o candidato Marcio Miranda (DEM), natural de Minas Gerais, que chegou ao Pará em 1972, ainda garoto, mas atingiu em cheio milhares de eleitores residentes nos municípios do sul e sudeste do Pará, egressos de outros Estados da Federação, e aqui se estabeleceram, criaram raízes, formaram famílias e são tão paraenses quanto os nascidos no Pará.

Por conta da peça desastrada, Helder Barbalho acabou tendo que cancelar parte de sua agenda de campanha no sudeste do Pará.

Que pague por sua xenofobia nas urnas.

Serviço

A Lei nº 7.716, de 05 de janeiro de 1989, em seu artigo 1º diz que “serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. Os delitos tipificados por esta lei são inafiançáveis e imprescritíveis (Constituição da República, artigo 5º, inciso XLII).

É possível denunciar esse tipo de crime no Disque 100. Para tanto, é importante reunir testemunhas e quaisquer outras provas possíveis.

Ronaldo Brasiliense
Ronaldo Brasiliense é o repórter mais premiado da Amazônia nos últimos trinta anos. Conquistou os maiores prêmios da imprensa brasileira em uma carreira marcada por reportagens denunciando a corrupção, a malversação do dinheiro público, em defesa da democracia, dos direitos humanos, da preservação do meio ambiente e da cultura dos povos da floresta. Atualmente, Ronaldo Brasiliense é presidente da Academia Artística e Literária de Óbidos (AALO) e da Associação Cultural Obidense (ACOB), que administra o Museu Integrado de Óbidos e promove anualmente o Festival do Jaraqui, além de executar obras com o apoio da sociedade civil obidense e do poder público municipal, como a atual revitalização do histórico Forte Pauxis, marco de fundação da cidade de Óbidos.

Assista: ‘O TRE do Pará está sob meu comando’, diz Helder Barbalho à Solange Couto

Anterior

Helder Barbalho apela para a baixaria

Seguinte

Pode ser do seu interesse

2 comments

  1. Nada tem com o candidato Helder Zahluth Barbalho, eu Joel Bitar que criei sem nenhuma maldade , nem sabia na época que o candidato do DEM não era paraense, para o meu espanto ele era da cidade de Pavão em MG e estava sentindo-se magoado com a frase (intuito de levantar a moral cívica do povo paraense que estar muito baixa).
    Na nossa Comunidade mesmo os nascidos no Libano se sentem paraenses e mais paraense ainda poque eles escolheram o Pará como sua Terra amada, neste pensamento poderia hoje achar que o candidato Marcio teria este mesmos sentimentos, vejo que é ao contrário um sentimento meio obscuros por ter divulgado sua origem .
    Peço desculpa a ele mais sinto pena do seu modo de pensar e reagir deixa-me muito triste pois todos independente de onde nasceram são irmãos brasileiros.
    Joel Bitar

    1. O Paraense vota em Paraense acabou se espalhando nas redes sociais como peça da campanha do candidato Barbalho.

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *