0

O governador Helder Barbalho (MDB) reconhece a morte de quatro agentes de segurança nos dez primeiros dias de seu governo à frente dos destinos do Pará.

A continuar neste ritmo, a macabra contabilidade aponta para o assassinato de aproximadamente 150 policiais em 2019, um triste e lamentável recorde na história do Estado.

O Pará, segundo Helder Barbalho, conta com 14 mil policiais, mas precisaria ter no mínimo 30 mil para dar conta da segurança pública nos 144 municípios do Estado.

Logo, a pleiteada vinda de 500 agentes da Força Nacional de Segurança não será solução para o problema da violência no Pará, que só diminuiu na primeira página do Diário do Pará e nos programas barras pesadas da vida no canal de televisão da família do governador, a RBA.

Resta orar pela proteção de Nossa Senhora de Nazaré, trancado em casa.

Violência? Onde?

Um bom indicativo de que a violência no Pará é coisa do passado: o veterano repórter policial Amaury Silveira trocou a TV RBA, da família Barbalho, pela Rede TV. Outro indicativo: o programa Barra Pesada vai trocar de nome: será Barra Mansa…

Mais um: faz uma semana que o Diário Oficial do Pará não dá manchete de primeira página com assassinatos.

Por essas e outras, acho difícil o ministro Sérgio Moro enviar agentes da Força Nacional de Segurança para o Estado do Pará.

A violência acabou, graças a Deus. Acabou?

Ronaldo Brasiliense
Ronaldo Brasiliense é o repórter mais premiado da Amazônia nos últimos trinta anos. Conquistou os maiores prêmios da imprensa brasileira em uma carreira marcada por reportagens denunciando a corrupção, a malversação do dinheiro público, em defesa da democracia, dos direitos humanos, da preservação do meio ambiente e da cultura dos povos da floresta. Atualmente, Ronaldo Brasiliense é presidente da Academia Artística e Literária de Óbidos (AALO) e da Associação Cultural Obidense (ACOB), que administra o Museu Integrado de Óbidos e promove anualmente o Festival do Jaraqui, além de executar obras com o apoio da sociedade civil obidense e do poder público municipal, como a atual revitalização do histórico Forte Pauxis, marco de fundação da cidade de Óbidos.

Pacote de maldades: Helder Barbalho exonerou até jornalista morta

Anterior

A verdade, nada mais do que a verdade

Seguinte

Pode ser do seu interesse

Comentário

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais de Violência