0

No combate à pandemia do novo coronavirus, o Covid 29, no Pará, percebe-se que falta transparência no que se refere à verdade sobre a distribuição espacial dos leitos de UTI com respiradores mecânicos no Estado.

Ninguém sabe quantos leitos de UTI estão ocupados em Belém e Ananindeua, municípios que concentram mais de 70 por cento dos casos confirmados, e nem nos demais 142 municípios paraenses.

O que se vê, da parte do governo do Estado, é o governador Helder Barbalho tentar posar de herói, protetor do povo, salvador da pátria, e uma enxurrada de supostas negociatas publicadas sem nenhuma vergonha no Diário Oficial do Estado.

Nesta segunda-feira, 13, acaba o prazo dado pelo Ministério Público – Federal e Estadual – para o governo Helder Barbalho explicar todas as compras feitas com dispensa de licitação graças à decretação do Estado de Calamidade Pública por causa do combate ao Covid 19.

A compra de 535 mil cestas básicas por R$ 73,9 milhões por uma empresa de fachada; a aquisição de um respirador mecânico por R$ 50,4 milhões; as compras do lanchinho de R$ 19,00 e de toucas cirúrgicas em loja de material de construção, e os gastos na montagem de quatro hospitais de campanha devem ser examinados com lupa.

O Pará não precisa de heróis.

Precisa, sim, de governantes que tratem com probidade o dinheiro público.

Temos escrito.

Ronaldo Brasiliense
Ronaldo Brasiliense é o repórter mais premiado da Amazônia nos últimos trinta anos. Conquistou os maiores prêmios da imprensa brasileira em uma carreira marcada por reportagens denunciando a corrupção, a malversação do dinheiro público, em defesa da democracia, dos direitos humanos, da preservação do meio ambiente e da cultura dos povos da floresta. Atualmente, Ronaldo Brasiliense é presidente da Academia Artística e Literária de Óbidos (AALO) e da Associação Cultural Obidense (ACOB), que administra o Museu Integrado de Óbidos e promove anualmente o Festival do Jaraqui, além de executar obras com o apoio da sociedade civil obidense e do poder público municipal, como a atual revitalização do histórico Forte Pauxis, marco de fundação da cidade de Óbidos.

Mais três casos de coronavírus confirmados em Belém

Anterior

Canetada Perigosa

Seguinte

Pode ser do seu interesse

Comentário

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *